topo_1.png

maré 2020

“Adiar o fim do mundo é sempre poder contar mais uma história”

Ailton Krenak

vagalume_1.png
homem_1.png

Qual o limite do nosso planeta? O que mais precisa acontecer para dizermos “chega!”? Somente este ano, assistimos ao aumento de 70% das queimadas na Amazônia, segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE. No Pantanal, o mesmo órgão registrou o maior número de focos de incêndio desde 1998. O fogo já consumiu cerca de 3,4 milhões de hectares somente neste ano, o que corresponde à destruição de 23% do bioma. Espécies de flora e fauna podem ter se perdido para sempre. O litoral nordestino foi surpreendido por ondas de óleo em suas praias. Em Minas Gerais, a barragem de Brumadinho é o retrato do descaso e da exploração.

Em busca de boas referências, a 5ª edição da Mostra Ambiental de Cinema do Recife (MARÉ) traduz em filmes e debates as ideias dos povos originários, povos de matrizes africanas e demais imigrantes, para lembrar que ainda podemos ser um novo povo, como já nos escreveu Darcy Ribeiro. A tese falaciosa do homem cordial esqueceu a luta de classes, o racismo estrutural e o extermínio dos povos indígenas na história do país. Nossa programação estimula a reflexão sobre a região e seus povos, por que esta não é uma luta de índio, mas pelo planeta - como diz Sônia Guajajara. Estamos vivendo uma pandemia mundial devido ao Covid-19, com mais de 150 mil mortes no país, um governo pensado para destruir as poucas garantias que ainda existiam, um projeto que tem como bases a mentira e manipulação, colocando a vida em risco.

Dadas as contingências sanitárias, este ano a MARÉ será em plataforma 100% virtual. A programação estará acessível no nosso site, com sessões e debates online. Se por um lado isso nos coloca diante de limitações técnicas relativas à transmissão e recepção dos filmes, a mostra ganha em visibilidade e possibilidades de engajamento. O formato, no entanto, continua o mesmo: exibir filmes brasileiros em torno dos temas Cidades & Conflitos, Povos & Territórios e Ecossistemas & Biodiversidade contemplando seis recentes longas-metragens e uma mostra retrospectiva de curtas. Debates com realizadores, ativistas, movimentos sociais e gestores completa a programação desta quinta edição, além de um encontro especial com representantes de mostras ambientais.